Notícias

1 19/11/2020 16:25

A cúpula do Ministério da Saúde deve esperar alta consistente no número de mortes por coronavírus para adotar medidas contra a segunda onda de contaminação no Brasil. Nesta semana, o Imperial College alertou que a taxa de transmissão da Covid-19 passou para 1,10, três dias após ser estimado em 0,94.

De acordo com informações do Estado de S.Paulo, o ministro Eduardo Pazuello (Saúde) tem dito a interlocutores que, apesar do aumento de casos em alguns locais, não é esperada proporção de mortes semelhante àquela registrada no início da pandemia. O general defende que primeiro seja observado o comportamento do “novo ciclo” da doença na Europa para então compreender como a contaminação se passará a se comportar no Brasil.

Pazuello teria argumentado também que ainda não há motivos para reforçar medidas de proteção, já que o aumento de contaminação seria normal após a flexibilização das medidas de distanciamento social. Apenas a curva de óbitos seria o indicador de que é preciso agir.

Apesar da postura da pasta, secretários de estados e municípios têm pressionado o Ministério da Saúde para ajudar no controle da pandemia. Os gestores pedem reforço na estratégia de testes e garantia de que renovação do custeio de leitos exclusivos para tratar pacientes com a doença.

A preocupação é que o estado de calamidade pública decorrente de crise sanitária causada pelo novo coronavírus só tem validade até 31 de dezembro, e o Orçamento de 2021 não prevê dinheiro extra para financiar o combate ao vírus.







Av. Governador Lomanto Júnior - Edifício União Empresarial Center, nº 23 - Centro - Amargosa/BA.
Tel.: (75) 3634-3239 | 9 9803-1023 (Whatsapp) - Vale a pena ouvir!
© 2010 - Rádio Vale FM - Todos os direitos reservados.